terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Orações Subordinadas não precisam ser um bicho de sete cabeças.


Muita gente se desespera ao deparar com certas matérias da gramática. O estudo das orações subordinadas é um deles. Não é de se estranhar, já que nessa matéria aparecem extensas nomenclaturas que podem assustar um aluno que chegou despreparado ao tema. Imagine você ter de classificar um período como “oração subordinada substantiva objetiva direta reduzida de gerúndio”! A oração pode ter duas palavras, mas seu nome tem oito. Isso pode traumatizar, mesmo, se o professor não conduzir o aluno cuidadosamente até esse ponto.

O fato é que “orações subordinadas” não são difíceis de compreender nem de classificar. São mesmo muito simples, e o nome extenso diz muito sobre elas, facilitando muito sua compreensão. Apenas é preciso que o professor leve o aluno com cautela e paciência por esse caminho cheio de nomes.

Uma oração subordinada nada mais é do que um termo da oração que é substituído por outra oração. Se é uma oração, deve ter um verbo. O aluno tem de chegar a esse ponto conhecendo bem os termos de uma oração simples: ele precisa saber com segurança o que é sujeito, advérbio, objeto direto, objeto indireto, adjetivo, complemento nominal, etc. Se o aluno conhecer bem esses tópicos, parte-se daí para explicar como esses termos podem ser substituídos por orações.

Vejamos…

Ontem, preparei seu café da manhã.”

O termo “ontem” é um advérbio de tempo, certo? Até aí, bem fácil! Mas o que acontece se substituirmos esse advérbio por uma oração, isto é, um conjunto de palavras que inclui um verbo e tem a função de advérbio de tempo? Algo mais ou menos assim:

“Quando cheguei, preparei seu café da manhã.”

É aí que o professor deve mostrar que há dois verbos na oração. Fácil identificar a oração principal, pois ela é mais plena de sentido, enquanto a outra a complementa. Assim, “preparei seu café da manhã” é a oração principal e “quando cheguei” é a oração subordinada.

Então, o aluno não terá dificuldade em perceber que a oração subordinada tem a mesma função sintática do termo “ontem” no exemplo anterior. Portanto, a oração toda é nada mais que um advérbio de tempo. Só nos resta, agora, dar um nome pra essa oração. Se ela é um advérbio de tempo e também é uma oração subordinada, então ela é uma “oração subordinada adverbial temporal”.

Até aqui foi fácil, né? Deve ter ajudado a tirar um pouco daquele temor das orações subordinadas. Vamos complicar um pouco, só para ver que não há mistério nos nomes tão extensos dessas orações.

Vamos alterar ligeiramente nossa frase.

“Ao chegar, preparei seu café da manhã.”

Uma simples troca de tempo verbal que torna dispensável o uso do conectivo “quando”. Mas o sentido da oração subordinada continua sendo o mesmo, e é fácil perceber que o que excluiu esse conectivo foi o uso do verbo no infinitivo. Portanto, essa oração passa a ter o assustador nome de “oração subordinada adverbial temporal reduzida de infinitivo”.

Outro exemplo:

“Chegando em casa, preparei seu café da manhã.”

Nem vamos perder tempo: é uma “oração subordinada adverbial temporal reduzida de gerúndio”. Um nome comprido (sete palavras) para uma oração tão curta (três palavras).

Meu objetivo neste artigo não é cobrir todas as orações subordinadas, mas oferecer ao aluno um método de estudo que facilite a compreensão de um assunto que pode ser traumatizante, embora não seja difícil. Se você precisa estudar orações subordinadas, esteja bem preparado para reconhecer as funções sintáticas dos termos da oração. Conheça primeiro os substantivos (sujeito, objeto direto, objeto indireto, complemento nominal, predicativo e aposto), os adjetivos e os advérbios (de causa, consequência, condição, concessão, comparação, conformidade, finalidade, proporção e tempo).

Não se preocupe em decorar tabelinhas dos tipos de orações subordinadas existentes. Foque-se em saber identificá-las: separar a subordinada da principal e, depois, classificar a subordinada de acordo com sua função. A educação, há muito que não é feita na base da memorização. A “decoreba” já era! Apenas tenha em mente que as orações subordinadas não são um conhecimento transcendental, oculto, ou algo para iniciados. Apenas exigem que você conheça as funções sintáticas como pré-requisito para estudá-las. Não digo que são fáceis, mas certamente não são tão difíceis quanto parecem.

Espero ter colaborado para tornar esse tema mais palatável aos estudantes de gramática.

Obrigado pela atenção e bons estudos.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Síndrome do "Abra-te Sésamo"

É comum que autores iniciantes queiram embelezar seu texto usando um linguajar com o qual não estão acostumados, e por isso se vê muitos diálogos em segunda pessoa. Não há nada de errado em usar essa forma se a história narrada acontece em épocas passadas, ou em regiões nas quais normalmente as pessoas falam assim. Mas deve-se tomar um grande cuidado para evitar um erro que chamo de “Síndrome do Abra-te Sésamo”.


Se seu personagem fala em segunda pessoa, todos os pronomes e verbos devem ser flexionados nessa pessoa. Não se deve escrever “tu vai”, por exemplo, a não ser que o objetivo seja, justamente, destacar que o personagem erra na concordância. Mas não é a esse caso que me refiro. Tratarei aqui das situações em que uma história se passa no século passado, na antiguidade clássica, em um país estrangeiro, ou em qualquer lugar onde o uso da segunda pessoa seja adequado para caracterizar adequadamente o local e a época da narrativa.

E o que seria essa tal “Síndrome do Abra-te Sésamo”? É o erro de concordância verbal que o autor insere sem perceber. Ali Babá não usou a frase “Abra-te Sésamo” para abrir a caverna, nem tampouco os quarenta ladrões. Recordemos a conjugação do verbo abrir no imperativo:

Abre tu (segunda pessoa do singular)
Abra você (terceira pessoa do singular)
Abramos nós (primeira pessoa do plural)
Abri vós (segunda pessoa do plural)
Abram vocês (terceira pessoa do plural)

Portanto, se o pronome utilizado é “te”, deduzimos que a fala está na segunda pessoa do singular e, nesse caso, o verbo deveria ser “abre”, e não “abra”.

O correto é “Abre-te Sésamo”; jamais “Abra-te Sésamo”. Se não for usada a concordância correta, a caverna não se abre.

Autores desacostumados a falar em segunda pessoa frequentemente se esquecem de flexionar todos os verbos, deixando, volta-e-meia, em seu texto, alguns órfãos em terceira pessoa.

Vou ilustrar isso com um exemplo. Suponhamos que um autor esteja escrevendo uma história de piratas e o capitão está ordenando aos seus subordinados que cavem um buraco para enterrar o baú do tesouro.

“— Cavem logo esse buraco, seus parvos. Obedecei minhas ordens se não quiserem ter vossas gargantas cortadas. Se não tiverdes enterrado esse baú até o meio-dia, degolarei um de vós a cada minuto.”

Vejam que o capitão usa a segunda pessoa do plural não por afetação ou pedantismo, mas porque o autor escolheu essa forma como linguagem comum para os personagens devido ao contexto histórico-geográfico. Nesse caso, não há possibilidade de trocarem a segunda e a terceira pessoa por acidente, já que estão acostumados a falar assim. Então, por que a primeira ordem dada pelo capitão seria “cavem”, ao invés de “cavai”? E por que usou “quiserem” ao invés de “quiserdes”?

Esses deslizes ocorrem com bastante frequência. A falta de uso ou o uso errado no dia-a-dia leva os autores a descuidar da concordância. É compreensível, mas não desculpável. Um escritor deve zelar pela coerência e pelo bom uso da língua.

Então, se sua história demanda que os personagens usem a segunda pessoa em suas falas, lembre-se de cuidar para que todos os verbos e pronomes estejam dessa forma. Vá além: quando for usada a segunda pessoa do singular, lembre-se de que, no plural, também é preciso usá-la.

Se você fica mais à vontade usando a terceira pessoa e se sua história não precisa estar em segunda pessoa, não há mal nenhum em usar a forma que lhe é mais familiar, desde que zele sempre pela concordância, qualquer que seja sua escolha.

“Abre-te Sésamo” ou “Abra-se Sésamo”. Não há outra forma aceitável.

Use a concordância correta e as portas da caverna se abrirão para você, revelando os tesouros que procura.


Bons escritos.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Por que erramos os "porquês"?



Nos trabalhos de revisão que faço, é muito comum eu ver, mesmo um autor experiente, usar “porque” em lugar de “por que”. Havendo quatro formas de escrever, é comum que haja confusão e uso trocado. Mas há regras claras e precisas para uso de cada um, e dificilmente eu vejo erros diferentes desse: “porque” no lugar de “por que”.

E tenho uma teoria sobre o porquê disso.

A pessoa não lembra as regras e parte para o resumo, sem ir a fundo nos usos de cada caso. Na maioria dos cursos, e até mesmo nos sites de gramática, o resumo que aparece é assim:

Por que = Usado no início das perguntas.
Por quê? = Usado no fim das perguntas.
Porque = Usado nas respostas.
O porquê = Usado como um substantivo.

O grande vilão está em dizer que “porque” é usado nas respostas. Isso leva a pessoa a associar que, se não há ponto de interrogação, então não é pergunta, e deve-se usar “porque”. Mas vejam esse exemplo:

Eu não entendo por que você não gosta de mim.
Eu não entendo porque você não gosta de mim.

Na primeira frase, o significado é: “Eu não entendo por qual razão você não gosta de mim.”

Na segunda, entenda-se: “Eu não entendo, pois você não gosta de mim.” Não faz sentido, né?

Vejam como a falta da interrogação pode induzir ao erro. Para quem entende inglês, eu sugiro identificar nesse idioma se a palavra usada seria “why” ou “because”. Por haver, na língua inglesa, uma diferença fonética entre os dois termos, os falantes desse idioma não têm dificuldades de identificar quando usar um e quando usar o outro.

Fica fácil ver que se você usa “why”, deve traduzir para “por que” (ou “por quê” se for no final da frase). E, obviamente, se usa “because”, então a tradução é “porque” (esse apenas sem acento).

Além disso, há outro caso em que se usa “por que”. É quando introduz uma oração subordinada e pode ser substituído por “pelo qual”, “pelos quais”, “pela qual” ou “pelas quais”.

Se você está com pressa e precisa de um resumo, melhor ignorar onde cada um é usado e identificar que termo poderia substituí-lo. Isso evita a confusão causada por achar que “porque” é usado quando há ponto de interrogação no fim da frase.
Assim, a fórmula que proponho como resumo da matéria é:

Por que
pode ser substituído por “por qual razão” (seja numa afirmação ou numa interrogação); ou
pode ser substituído por “pelo qual”, “pelos quais”, “pela qual”, “pelas quais”;

Por quê
também pode ser substituído por “por qual razão”, mas no fim da frase;

Porque
pode ser substituído por “pois”;

Porquê
é um substantivo, o único que aceita um artigo como em “o porquê” ou “os porquês” e pode ser substituído por “motivo”.


Exemplos:

Por que fez isso comigo? Por qual razão fez isso comigo? (com interrogação)

É inexplicável por que ele viajou agora. É inexplicável por qual razão ele viajou agora. (Sem interrogação.)

Vou te explicar a razão por que vim. Vou te explicar a razão pela qual vim. (Atenção: “a razão” pode ser omitida, ficando subentendida. Vou te explicar por que vim.)

Você está bravo assim por quê? Você está bravo assim por qual razão? (No final da frase.)

Tirei férias porque estava cansado. Tirei férias, pois estava cansado. (Atenção: ao substituir por “pois” é preciso acrescentar a vírgula.)

Explique-me o porquê dessa burocracia toda. Explique-me o motivo dessa burocracia toda. (Substantivo.)

Parece que o resumo ficou grande, mas assim você evita muitos erros.


Espero ter ajudado.